domingo, 27 de dezembro de 2009

DKZINHO

DKzinho foi mais uma surpresa boa nessa comemoração do meu primeiro ano de servidão... DK me disse q me daria um presente, mas confesso q eu não tinha nem noção do q poderia ser...


Sabe só dele se lembrar do meu aniversário, já era bom demais, não podia imaginar q ele se daria ao trabalho de ir a algum lugar escolher algo pra me dar...

Então imaginei q o presente seria algo q ele iria fazer comigo... bom, ele disse q o presente poderia me fazer chorar... eu pensei, pronto, vou ganhar uns hematomas de presente, rsrsrs... cheguei a brincar com ele, se ele tinha planejado uma surra de cane pro dia do meu aniversário de submissão, felizmente ele adiantou q não era isso, rsrsrs

Eu não sabia nem o q pensar, ele disse q não podia me dar nenhuma pista pq era mto óbvio, então tive q segurar minha curiosidade até a noite, rsrsrs...

Qdo ele me entregou, eu realmente me emocionei, especialmente com a forma como ele me falou enquanto eu desembrulhava... disse q era um pedacinho dele q iria estar sempre comigo...

DK sabe o qto a saudade dói em mim, eu nunca escondi... a distancia, a falta q eu sinto dele as vezes me deixam desorientada... especialmente qdo fico um espaço de tempo maior sem vê-lo... o máximo q eu consigo ficar lúcida sem ele é por um mês, mais q isso, entro em crise, e aí dou um trabalhão pra controlar...

Foi por isso q ele escolheu o DKzinho, se parece com um dos cachorrinhos q a gente vive usando no msn, e era uma forma dele me mostrar q apesar de não estar comigo fisicamente, está sempre ao meu lado, e DKzinho iria simbolizar isso...

Realmente criei uma ternura mto grande pelo bichinho... dormi com ele todas as noites enquanto estava no rio, e agora ele fica na minha cômoda junto com meus perfumes, e ganha beijinho todo dia, antes de eu ir pro trabalho, e qdo chego a noite...

Ele tb me fez companhia na viagem, e como já contei pro DK, pela primeira vez em um ano não chorei na viagem de volta... coloquei ele dentro do meu decote, e viemos abraçadinhos até chegar em casa...

É só um bichinho de pelúcia, e eu parecia uma minina mimada, agarrada a ele.... é só um bonequinho, mas pra mim é carregado de significados... foi meu dono q escolheu pra mim, quis me dar pq de certa forma, tb queria estar por perto...

Lembro do q me disse no dia do meu aniversário de manhã, disse q me queria pertinho sempre q fosse possível, e DKzinho era a comprovação disso, por isso o trato com tanta ternura... pra mim ele tem um valor incalculável...

Existem coisas q são inexplicáveis, já desisti de tentar ver o mundo, a vida como os outros vêem... sei q nem todos podem compreender o q eu sinto, nem o q eu faço...

Hj tenho meus tesouros, lindos, valiosos, perfeitos... tesouros q quero trazer sempre comigo: minha coleira, meu DKzinho, e o amor pelo dono guardado no meu coração, tão grande, tão forte, tão incontrolável, q as vezes transborda... e se torna capaz de contaminar tudo q eu vivo e toco, com a ternura e a alegria q ele tem me proporcionado.

TE AMO MAIS Q TUDO MEU DONO, beijos em teus pés, SUA escrava {eliz}_DOM KALLUS

UM ANO DE SUBMISSÃO

eu sabia q DK tinha planejado algo especil para estas sessões, mas eu não imaginava q ele iria caprichar tanto rsrsrs... Ele sempre comenta q encherga a eliz escrava e mulher, mas nunca percebi tanto carinho para com a eliz mulher... nestes dias ganhei carícias, senti prazeres q não são comuns para uma escrava, e percebi o qto meu dono é especil, além de dominador, conhece as mulheres como ninguém, e sabe exatamente como nos dar prazer...

sei q mtos dominadores vão estranhar as coisas q eu vou contar, na verdade eu tb não acreditaria se não tivesse vivido tudo isso, mas só posso dizer q foi tudo um sonho lindo, lindo e real, real  e mto, mto prazeroso...

no primeiro dia, Como comentei em outra postagem, para nós transar com o dono é um prêmio... não faz parte do cotidiano, o q não quer dizer q não tenhamos outras formas de sentir prazer... é o q não falta é orgasmo rsrsrs... mas akele dia foi mais q especial...


Como já contei, DK fez sexo oral em mim, e em seguida beijou meus pés enquanto me penetrava, gozei mto, e mtas vezes, DK sabia exatamente como me fazer sentir prazer e realmente foi um presente de aniversário dakeles, rsrsrs...
Mas isso era só o começo.... no dia seguinte, enquanto conversávamos pelo msn, DK me disse q tinha uma surpresa pra mim... como me conhece, sabia q iria me matar de curiosidade, e isso já fazia parte dos planos, rsrsrs...

A noite qdo chegou, assim q eu terminei de fazer os cumprimentos, ele relembrou q fazia um ano q eu havia me declarado submissa a ele, sim, era 09 de dezembro e q iríamos comemorar, ele me mandou pegar uma camisinha e um consolo...

Qdo ele falou do consolo comecei a tremer, abri a caixinha onde eles estavam, com as pernas bambas, perguntei qual deles temendo a resposta e ele disse q queria o grande, aiai, aí sim eu entrei em pânico...
Ele percebeu meu medo e minha palidez e disse pra eu ficar calma q eu ia gostar...

Bom, como ele ia usar um consolo eu achei q ele iria estrear meu cuzinho, e como ele sabe, eu morro de medo... não sei se é da dor q eu tenho medo, sei lá... ainda não me sinto preparada... peguei o consolo e a camisinha, e ele me mandou colocar a camisinha no consolo, aí tremi mais ainda, sentei na cama, na frente dele, na verdade minhas pernas não estavam me agüentando...
Ele tirou meu vestido e me mandou deitar enquanto ficava sentado na cama...

Deitei como ele havia mandado, de pernas abertas de frente pra ele... fechei os olhos e tentei relaxar, apesar do medo, eu estava mto excitada...

Senti q ele começou a estimular meu clitóris com os dedos, enquanto tocava meu anus e o canal da minha vagina devagar, de repente, enfiou o consolo dentro da minha vagina com força e começou a fazer um vai e vem que me deixou alucinada...

Na verdade DK tinha planejado me dar um prazer q a maioria das mulheres deseja, mas que raramente acontece... enquanto metia o consolo dentro da minha vagina, se abaixou e começou a fazer sexo oral em mim, me fazendo delirar de tanto prazer...

Eu não conseguia controlar os espasmos do meu corpo, me contorcia, gemia, suava, gozava tanto e tantas vezes q já não tinha mais noção de nada, ele parava e me olhava, sorrindo, mudava a força e a velocidade das estocadas... e quando eu achava q ele iria parar, começava tudo de novo, rsrsrs...

Sentia sua língua percorrendo minha vagina, suave tocava, chupava, apertava meu clitóris, ao mesmo tempo em q forçava o consolo dentro de mim, meus músculos tremiam, e eu não conseguia acreditar q ele tinha se dado tanto trabalho pra me dar prazer... apesar de ter sido sempre tão carinhoso, tão atencioso, isso me surpreendeu... afinal eu sou apenas uma escrava, e não acredito q mereça um esforço tão grande por parte do meu dono para me dar prazer... mas mesmo não merecendo ele fez...

Qdo chegou a me soltar, eu estava mole e gelada em cima da cama, não agüentava nem me mexer... mas com um sorriso de orelha a orelha, rsrsrs...
Me deu mtos beijos, fez outros carinhos até q eu me acalmasse, e fomos tomar nosso banho...

Brincando, perguntou se eu repetiria a dose, e eu, rapidamente disse q sim, kkkkk....
E não é q ele encarou isso como um pedido! Kkkk
Durante a conversa do outro dia, perguntei o q ele q eu preparasse pra sessão, e ele disse q atenderia meu pedido, eu perguntei q pedido, e ele disse q repetiria a dose, kkkk, bom eu não pedi, mas adorei a idéia, rsrsrs

Bom, dessa vez eu não fiquei com medo né, rsrsrs... qdo ele chegou o consolo e a camisinha já estavam preparados na beira da cama...
Mas aí ele já tinha pensado em outra coisa... queria incrementar ainda mais a cena...

Se debruçou sobre mim, em forma de 69, e enquanto eu fazia sexo oral nele, ele penetrava minha vagina com o consolo, meu ânus com um dos dedos, e ainda fazia sexo oral em mim... se no primeiro dia eu fiquei mole de tanto gozar, nesse dia eu quase desmaiei, senti meu corpo molhar de tanto suor, tudo em mim tremia...

Sentia dor por causa do dedo forçando meu cuzinho e ao mesmo tempo, sentia tanto prazer q não dava pra segurar os gemidos, e mesmo com ele por cima de mim, eu me contorcia feito louca...

O prazer q eu senti não se limitou ao prazer de uma escrava, afinal, realizei fantasias e recebi carinho de uma forma q qualquer mulher desejaria... mas eu uma submissa, eu q as vezes me sinto tão insignificante, ganhei de presente momentos lindos, mágicos, de um carinho, uma dedicação q eu nem imaginava, entre outros prazeres q eu ainda irei contar...

Obrigada pelos presentes Senhor, sei q não mereço, mas hj me sinto a escrava mais feliz do mundoooooooo.

Beijos em teus pés, SUA {eliz}_DOM KALLUS

Na janela...


este mês as sessões tiveram um sabor diferente, nossa foram dias mto especiais...
além de ser na semana do meu aniversário, tb coincidiu com a data em que completo um ano de submissao ao meu dono, dia 09 de dezembro, foi qdo tudo começou oficialmente, se bem q ele já me dominava antes, kkkk, mas isso é uma outra história prá contar em outra postagem, rsrsrs...

já viajei sabendo q seriam sessões especiais, mas elas superaram todas as minhas espectativas... viajei na noite do meu aniversário... nem pude receber os amigos q foram me dar um abraço, trabalhei aplicando prova de vestibular e viajei em seguida... estava tão feliz, tão feliz q nem sentia o cansaço da viagem... desci em vitória as 5 da manhã, só tinha ônibus as 8:30, seriam 3 hoas e meia de espera, depois de uma noite inteira viajando, mas eu nem ligava... já sabia o q fazer prá passar o tempo...

primeiro, fui ao banheiro, penteei os cabelos, lavei o rosto, tirei a blusa de frio q tinha usado durante a viagem, e fiz bastante hora, até q o guichê da itapemirim abrisse as 5:30, fui lá peguei minha passagem e fui pro outro banheiro, queria tomar um bom banho... por sorte, apensar de ser na rodoviária, o banheiro era até decente, e como eram 6 da manhã, ninguém iria tomar banho, rsrsrs....

abri minha mala, escolhi outra roupa, entrei no chuveiro e tomei um banho quente, relaxante e demorado...
terminei, passei creme no corpo inteiro, me perfumei e me vesti, fiz de modo q ficasse pelo menos uma hora no banho, qdo saí já passava das 7, agora so faltava mais uma hora e meia, rsrsrs....

fui para um café no fim da rodoviária a passos lentos, tomei café, ou melhor, suco, pq demora a fazer, rsrsrs, parei no caminho de volta prá plataforma, comprei um caça-palavras e me sentei, pronto, só faltava meia hora e eu estava bem, pronta prá mais 8 horas de viagem...

cheguei ao rio já era quase 5 da tarde, na maior correria, com medo de não conseguir entrar on line a tempo de avisar ao dono q tinha chegado, peguei um taxi e fui direto pro hotel... ao chegar no hotel, uma surpresa, me ofereceram um dos quartos da frente, era a primeira vez q eu ia ficar em um deles, também, depois de um ano me hospedando no mesmo hotel, era a primeira vez q me ofereciam de escolher o quarto, eu aceitei é lógico...

o engraçado é q quando olhei pela janela e avistei a rua, nem me lembrei da mania de dk de nos expor, só pensei q no mês seguinte, na estreia da stelinha, eu ia pedir o mesmo quarto, prá ele ver ele chegando, rsrsrs...

é, eu não lembrei, mas ele adorou, assim q chegou, fiz os cumprimentos, tirei a roupa dele, ele tirou a minha, começou a me beijar, e foi me empurrando prá trás, eu não percebi qual era a intenção, mas qdo dei por mim, ele estava me virando de costas prá ele, e eu estava colada na janela, aberta inclusive, rsrsrs...

começou a apertar meus seios, e tocar minha vagina, enquanto seu penis massageava meu anus sem forçar... enquanto eu olhava prás pessoas passando na rua... estávamos no terceiro andar, mas se alguém olhasse prá cima veria sim...

nunca me senti tão devassa... seria o q as pessoas lá embaixo pensariam se tivessem me visto, porém, nunca me senti tão livre... lembro de todas as vezes q DK me chamou de puta, me disse q eu era SUA puta, realmente, eu entendia agora q por mais séria q eu fosse, por mais formal e respeitável q eu fosse para todos os outros homens do mundo, prá ele eu era uma puta, pq ele me queria assim...

ele percebeu o q se passava dentro de mim, a vergonha e o sentimento de liberdade q se mituravam na minha cabeça, e degustou esse momento, se demorando em meu corpo, explorando as minhas reações e me fazendo gozar enquanto os ônibus passavam na avenida com passageiros olhando em nossa direção... não podíamos ser vistos, mas estar diante do mundo sendo usada pelo meu dono era maravilhoso, me lembrei de momentos assim, qdo saí com as costas marcadas, qdo me deu um tapa no rosto no meio da rua, inclusive na porta do hotel, quando saí de coleira prá todo mundo ver q eu tinha dono, momentos q eu jamais vou esquecer, que acordaram meus intintos, me encheram de excitação e prazer, por me sentir tão sua, e pelo desejo de todas as pessoas saibam quem eu sou... sou eliz, cadela, escrava, submissa e puta de DOM KALLUS, com mto orgulho...

neste dia, assim como em outros dias, DK me deu de presente um prazer incomprável, gozei como escrava e como mulher, mas isso já é história prá outra postagem...

domingo, 20 de dezembro de 2009

Bronca e castigo

bom, esta é uma postagem extra q não estava na listinha, mas senti q precisava escrever...
é, levei algumas broncas durante a sessão, mas, mais importante do q descrever como elas foram, é falar do efeito q elas causam em mim...
estou devendo dois castigos, não sou castigada desde maio, e nunca tive um castigo em uma sessão real...
tive castigos mto dolorosos com meu primeiro dono, coisas mtas vezes bem além da minha capacidade de suportar, coisas q me causavam uma certa revolta, o q se comprova com a lista de reclamações q eu sempre tinha contra ele... mesmo q ficasse calada....
com DK foi diferente, nos primeiros castigos eu quase morria de medo, chegava a tremer, e como eu dava uma mancada atrás da outra eu era castigada quase todos os dias, ele deixou claro desde o início que sempre me castigaria com algo q eu não gosto e q esteja claro q eu não quero, porém, nunca, nada além do meu limite de resistência, e tudo com mta conversa, isso acabou me educando, nunca me provocou revolta, nunca reclamei dos castigos que recebi dele, e em todas as vezes reconheci q ele tinha razão e q eu merecia...
bom, até q eu fui entendendo mta coisa e deixando de merecer os castigos... é claro q uma vez ou outra ainda dou minhas mancadinhas né, porém, acontece com menos frequencia... porém isso não quer dizer q eu não continue falhando...
tenho falhado, e falhado mto... especialmente no q se refere aos cuidados comigo, com a minha saúde...
e esse tem sido o motivo das minhas ultimas broncas...
e de um certo modo, eu entendo pq DK quase não usa mais os castigos comigo... Ele percebeu q tem outras formas de fazer isso, ele sabe q tem o mesmo efeito qdo me dá essas broncas, a vergonha, a dor emocional e o arrependimento q causam tem um efeito igual ou pior ao dos castigos...
sei q não sou perfeita... nunca vou ser...mas realmente desejo melhorar... neste mês de novembro levei algumas broncas, todas merecidas, mesmo q logo em seguida ele tenha continuado seus afazeres na sessão, eu ouvi, senti e entendi o q ele queria dizer, sei q não quer me magoar, mas q deseja me educar prá q eu me torne melhor, especialmente com relação a mim mesma, aos cuidados comigo...

escolheu momentos especificos, qdo eu estava ajoelhada calçando seus sapatos ou fazendo sexo oral, me olhou e falou com firmeza do assunto... não estava bravo, nunca gritou, nem nervoso estava, mas com poucas palavras sérias conseguiu o mesmo efeito q um castigo, na verdade a vergonha dói mais q a cane...
Senhor meu Dono, nunca neguei q tenho medo dos seus castigos, principalmente de ser castigada numa sessão real, porém eu sei q estas palavras ditas olhando nos meus olhos tem este objetivo, e prometo aki, diante de nossos amigos me esforçar mais para obedecê-lo, e ser melhor do q eu sou...

sei q mtas broncas e mtas castigos ainda virão, mas o q me importa, acima de tudo é poder continuar merecendo ser sua, poder te servir e estar aos teus pés...
TE AMO MAIS QUE TUDO
beijos em teus pés {eliz}_DOM KALLUS



O BEIJO

Para nós o beijo sempre foi um momento mto especial, DK sempre cria em nós a expectativa pelo primeiro beijo, os longos beijos q trocamos durante as sessões, principalmente na chegada pra matar a saudade.



Já tivemos beijos mto interessantes, e beijos em momentos essenciais...
Beijos na hora do choro, na hora da tortura e do spanking, beijos com gosto de chegada, e os beijos q me fazem engolir as lágrimas das despedidas...

Fora os beijos exóticos, nos pés, nas mãos, nas marcas...
Tem o beijo na hora do orgasmo, o beijo com asfixia, o beijo mordendo os lábios e o beijo armadilha q ele usa pra roubar minha língua...

Já beijamos a 3, e tentamos um beijo a 4, q eu não lembro se deu mto certo, tb aprendi a beijar a nice pra agradar o dono, sem me sentir lésbica por causa disso, rsrsrs....

Mas a novidade deste mês foi q DK acabou me ensinando um novo jeito de beijar... acostumada a disfarçar meu lado submisso em outras relações, me acostumei a tomar a iniciativa e fazer tudo do meu jeito... na hora de beijar eu me impunha mesmo, minha língua e minha vontade tomavam todo espaço, rrsrsrs

Claro q DK percebeu q eu tinha esse costume, e foi aos poucos me sondando até me dobrar, me segurou, me deixou beijar a vontade até invadir minha boca com sua lingua, eu fiquei maluquinha, sem saber o q fazer... acostumada a tomar iniciativa e ocupar os espaços, minha língua não sabia onde ir, rsrsrsrs,

Até q fui me acostumando a seguir os movimentos da língua dele... isso aconteceu mtas vezes, todas elas foram um aprendizado delicioso e divertido, eu já tinha aprendido a falar como submissa, a me comportar como submissa, agora eu estava aprendendo a beijar como submissa....

Termino esse relato me lembrando do beijo Dele, do sabor, do jeito, da força q o beijo dele tem... me lembro do primeiro beijo do mês de novembro, q durou tanto tempo q nos esquecemos de tirar a roupa, rsrsrs, hunnnn, mas mesmo vestidos foi maravilhoso...
Que saudade dakele beijo, e de tantos outros q já tivemos, faltam 22 dias pra ganhar o próximo, aiai, o jeito é agüentar, pra treinar mais um pouquinho na próxima, rsrsrs

TE AMO MAIS Q TUDO MEU DONO
Beijos em teus pés, {eliz}_DOM KALLUS

Pontos sensíveis

Dk sempre teve o costume de estimular pontos sensíveis em nosso corpo... lembro q na minha primeira semana com ele, achou um lugarzinho atrás do meu joelho e doía e dava prazer ao mesmo tempo, lembro q eu quase gozava qdo ele apertava akele ponto, dava um choquinho q percorria o corpo e q me fazia ficar totalmente elétrica... lembro q na primeira semana ele apertou tanto q a nice descobrir alguns arranhões e hematomas atrás do meu joelho, hummm.... e tinha sentindo tanto prazer q eu nem tinha percebido q tinha machucado, kkkkkkk....

Pois é, a experiência desse mês foi mais ou menos assim, mas com a descoberta de um outro ponto sensível em outro lugar... nos meus pés, aiai....

Enquanto fazíamos carinhos ainda no hotel, eu comecei a fazer oral nele, e de repente ele pegou um dos meus pés e começou a morder, hunnnnn, primeiro foi o susto, nunca imaginei meu dono mordendo meu pé... depois comecei a sentir uma mistura q eu já conhecia, mas bem diferente de qualquer outra sensação, ele mordia meus dedos, o peito do pé, doía, mas ao mesmo tempo era uma sensação incrível, sentia um chock espalhar pelas minhas pernas, percorrendo em direção a minha vagina, me sentia excitada e estimulada como se estivesse estimulando meu clitóris, e ele não parava, percebia q eu me contorcia de dor e prazer, e continuava mordendo e apertando meus pés, até q cheguei ao orgasmo....

Eu não acreditava no q estava acontecendo, primeiro não entendia como meu dono podia morder meus pés, e pior, não entendia como é q meu corpo havia reagido dakela forma a ponto de gozar apenas com mordidas nos pés...

Claro q isso se repetiu várias vezes akela semana e em todas elas senti o mesmo prazer, as mordidas doíam mto, mas liberavam uma excitação e um prazer inexplicável...

Prazer comparado ao momento q eu vivi na primeira sessão de dezembro, foi lindo, maravilhoso...

Estávamos comemorando o meu aniversário e meu primeiro ano de servidão ao meu Senhor, a sessão já começou com carinho, sexo para o meu dono é prêmio, e só acontece em ocasiões especiais...

Percebi q akele dia teriamos penetração e fiquei maluca qdo ele começou fazer sexo oral em mim... sim, era dia de comemoração, mas não sabia q ia ganhar um presente dakeles rsrsrs.... até q mudou de posição, e começou a me penetrar, segurando minhas pernas pelos calcanhares... senti q ele ia começar a morder meus pés, e por uns instantes eu fechei meus olhos e me preparei pra dor das mordidas, mas ao contrário senti o calor dos seus lábios tocando meus dedos devagar... pra minha surpresa ele estava beijando meus pés, dando mordidinhas fraquinhas com os lábios e me penetrando com força... por um instante esqueci o prazer da penetração e me concentrei na emoção de ver akela cena...

Eu escrava e submissa, ganhando um carinho dakela proporção, eu simplesmente não conseguia acreditar no q estava vendo e sentindo... mas akele não seria o único momento de ver akela cena e sentir akela emoção...

Já fazia uns 2 meses q eu tinha tido uma idéia, queria usar uma tornozeleira com as iniciais do meu dono, assim como os escravos eram acorrentados pelo pé, eu queria carregar uma correntinha como sinal de pertença a ele... e como completaria meu primeiro ano de servidão no dia 09 de dezembro, decidi comprar a tornozeleira com o pingente pra q ele pusesse em mim, nakele dia....

Deixei na cabeceira da cama, e assim q ele me colocou a coleira eu disse q queria q ele me colocasse outra coisa... expliquei q akela tornozeleira me lembrava as correntes usadas pelos escravos, mostrei as iniciais dele no pingente de coração e pedi q ele colocasse em mim...

Coloquei meu pé sobre a cama, ele se sentou do lado, colocou a tornozeleira, abotoou e deu um beijo carinhoso no meu pé, era um beijo de carinho, q não me faria menos escrava do q eu já era, pelo contrário, senti q nakele beijo ele entendia a minha entrega e a aceitava, e percebia q eu necessitava dela pra ser feliz...

Eu tinha colocado uma seleção de 50 musicas pra tocar nakele momento, e o interessante é q nesse momento q eu recebi a tornozeleira, tocou exatamente a musica q meu dono me enviou a um tempo atrás, como se fosse pra coroar o momento como um momento lindo, especial e inesquecível...

Até hj qdo fecho os olhos ouço a musica q vejo de novo akela cena linda, que vai sempre se repetir na minha memória:


Brincar de Viver
Maria Bethânia
Composição: Guilherme Arantes
Quem me chamou
Quem vai querer voltar pro ninho
E redescobrir seu lugar
Pra retornar
E enfrentar o dia-a-dia
Reaprender a sonhar
Você verá que é mesmo assim, que a história não tem fim
Continua sempre que você responde sim à sua imaginação
A arte de sorrir cada vez que o mundo diz não
Você verá que a emoção começa agora
Agora é brincar de viver
E não esquecer, ninguém é o centro do universo
Que assim é maior o prazer
Você verá que é mesmo assim, que a história não tem fimContinua sempre que você responde sim à sua imaginaçãoA arte de sorrir cada vez que o mundo diz não E eu desejo amar todos que eu cruzar pelo meu caminho
Como eu sou feliz, eu quero ver feliz
Quem andar comigo, vem

sábado, 5 de dezembro de 2009

Subzinha vai as compras, rsrsrs


Estar no rio me dá a liberdade de fazer qualquer coisa, sem tem q me preocupar com quem está olhando, não conheço ninguém lá mesmo, rsrsrs, quase ninguém né...

Portanto, sempre q vou sair pergunto se meu dono quer q eu use algo diferente, na verdade é uma forma de continuar excitada mesmo não estando com ele...

Nesse dia ele me mandou colocar um consolo na vagina e ir a uma farmácia comprar KY para ele me fistar... bom isso repetia o ritual da viagem passada qdo eu tive q comprar um plug anal na frente de um homem q me olhava estranhamento e um monte de pacotes de camisinha com umas velhinhas me olhando indignadas. Bom, dessa vez eu deveria procurar uma farmácia e me dirigir especificamente a um homem pra pedir o KY, primeiro fiquei constrangida, depois achei q seria divertido... e humilhante...

Me preparei pra sair, um vestidinho bem solto, o consolo enterrado “nelazinha” e uma calcinha pra segurar, coloquei um salto e saí toda segura, mas tremia por dentro, kkkkk

Primeiro passei num restaurante pra almoçar, sentia como se todos os homens pudessem perceber minha fisionomia desconcertada e excitada por sentir o consolo o tempo todo... eu me sentia arder e latejar, como se o orgasmo estivesse prestes a acontecer... saindo do restaurante me dirigi a rua detrás do escritório onde eu sabia q havia algumas farmácias...

Bom, lá estava eu diante de uma farmácia, e tinha um rapaz e uma moça no balcão, eu tinha q cumprir o combinado... respirei fundo, entrei, me recostei no balcão, olhei bem pra ele e pedi o KY...

A reação dele me surpreendeu, kkkkkk, ele ficou todo sem graça, fez de conta q não tinha entendido, e pediu pra moça me atender, kkkkkk

Qdo eu percebi q ele estava mais constrangido q eu, me soltei de vez, fui atrás dela farmácia adentro e ela começou a me mostrar originais e imitações, e eu sem vergonha nenhuma fiquei um tempão com 3 tubos diferentes na mão sem me decidir, até q disse pra ela q preferia o original pq era melhor, e olhei pro balconista de propósito...

Paguei e saí com a cara mais sem vergonha do mundo... ainda passei no posto de passagens e comprei minha passagem de volta... confesso q comprar a passagem foi a parte mais difícil, por eu não queria ir embora nakele dia, queria ficar mais com meu dono, e pensei sim, em não comprar, e fazer pirraça... mas eu sabia q ele já tinha me dado a ordem de me comportar, e eu tinha q obedecer... confesso q segurei prá não chorar qdo ele me disse q não me veria nakela sexta, e ir embora na quinta, apesar de todos prazeres vividos tinha um gosto amargo...

Mas eu precisava respeitar meu dono... ele sempre valorizou mto isso, e eu sei mto bem como ele age na hora das minhas pirraças, e eu não queria testar a sua paciência... fiquei na fila um tempo, e cheguei a rezar pra q não tivesse passagem, pensava q se talvez eu não fosse embora haveria uma chance dele dar um jeito de ir me ver...

Mas tinha a passagem, e eu não tive coragem de desobedecer... comprei minha passagem e fui pro hotel arrumar minhas malas...

No caminho, sentia o consolo ardendo dentro de mim, mas já não estava mais excitada... me sentia triste, por viver nesse misto de chegada e partida... o consolo me fazia sentia a presença dele dentro de mim, a capacidade q ele tem de me fazer experimentar as sensações, mas ao mesmo tempo, eu já sentia a solidão da viagem avançando e tirando o meu sorriso...

Cheguei, comentei com ele q havia pensado em não comprar a passagem, e ele me disse q sabia q eu não o desobedeceria.... enquanto conversávamos eu fui arrumando minhas coisas e aproveitei pra contar sobre a reação do cara da farmácia, kkkkk, meu dono riu mto...

Sei q ele adora me expor a estas situações humilhantes e constrangedoras, mas acima de tudo sei q ele adora se sentir dono e saber q eu vou fazer qualquer coisa q ele mandar... isso me faz mto feliz e ao mesmo tempo me amedronta, pois eu sei q vou obedecer, ainda q as ordens doam e me machuquem, ainda q eu tenha vontade de me recusar, sempre direi sim, apesar de saber q minhas vontades ainda existes, elas não predominam, elas se dobram pra q a vontade dele prevaleça, e ainda q eu sofra é assim q vai ser sempre, assim, um dia eu vou ser a sub q eu sempre sonhei ser, ainda q eu não seja a sub q ele sonha ter.

domingo, 22 de novembro de 2009

Humilhação e entrega em púbico


Entre as novidades deste mês, experimentei sair pela primeira vez sozinha com meu dono usando minha coleira. Já tinha saído de coleira algumas vezes, mas com minhas irmãs, sozinha é a primeira vez... foi lindo, foi maravilhoso, ver os garçons e as meninas da portaria do hotel me olhando intrigados enquanto eu desfilava de coleira com um sorriso largo e destemido ao lado do meu amado dono.
Na volta pra casa, meu dono me surpreende, e atendendo a um desejo meu de ser humilhada em público, de repente passa o braço esquerdo sobre meu ombro, eu estranhei, e com a outra mão me desfere uma bofetada em plena rua....
O primeiro impacto foi o susto, mais foi seguido de tanta excitação, q quase aproveitei q já tinha aprendido a pedir pra apanhar, e pedi q ele continuasse...
Mas percebendo q passávamos em frente a um hospital sempre movimentado, temi q alguém tentasse impedi-lo...
O estalo dakele tapa me acompanhou, e eu não pensava em outra coisa... ele percebeu q havia me deixado alucinada, e eu pedi mais na nossa conversa na manhã seguinte...
Pedido aceito é claro rsrsrs
Qdo ia me deixar na porta do hotel no dia seguinte, dei o beijo de despedida, e sem q eu esperasse, novamente me deu um tapa forte no rosto q chegou a estalar, e eu, é claro respondi com um sorriso escancarado...
Não sei pq a moça da portaria me recebeu gaguejando, e não conseguiu responder sobre as minhas diárias, na verdade não sei ao certo se ela viu o tapa q eu levei, ou se ainda estava estranhando o fato de eu estar de coleira, kkkkkkkkkkkkkk...
Era o ultimo dia, e eu tive uma idéia, dessa vez eu ia sair de coleira sem meu dono... na verdade ia pra rua espera-lo de coleira...
Saí mais cedo uns 15 minutos, fui de coleira pra porta do hospital q fica perto do hotel, taxistas, pedestres e funcionários do hospital me olhavam intrigados
Eu me senti humilhada sim, senti q estava totalmente fora de todos os padrões estabelecidos pelo ambiente onde eu estava... mas olhei pra frente e vi meu dono, e enquanto um funcionário do hotel mexia nos cones do estacionamento pela 15ª vez me olhando fixamente, meu dono se aproximou e tudo passou a fazer mais sentido...
Sim, tenho vontade de me mostrar como sou, sou escrava, e tenho mto orgulho disso, tenho vontade assumir minha servidão, e apresentar meu dono a todos q me conhecem, ahhhh se eles pudessem entender como a escravidão me faz feliz, como estar presa a ele me faz sentir livre, como tanta dor pode me trazer tanto prazer...
E assim, agir, pensar e ser tratada como escrava me faz sentir inteira, completa e realizada, e q outros momentos de humilhação pública venham, esse é meu sonho, ser vista e entendida apenas como escrava...

Dor e servidão

Aproveitando esta nova fase onde vou revelando aos poucos os meus desejos, durante minhas conversas com DK comentei sobre algumas das minhas preferências, claro, preferências q meu dono sempre soube, mas q faz questão de q eu assuma pra Ele...

Lembro do seu rosto sorridente olhando pra mim enquanto fazia sexo oral nele... estava tão distraída, tão envolvida e sentindo tanto prazer no q fazia q não percebi por qto tempo ele me olhou, apenas sei q estava sorrindo de olhos fixos em mim, parei e perguntei o q passava em sua cabeça ao me olhar dakela forma, e ele respondeu que era mto bom me ver fazer algo com tanto prazer, e q ele percebia q eu não fazia simplesmente pra agrada-lo, mas pq eu queria, pq sentia desejo, vontade e prazer em fazer, e era exatamente o q eu sentia...

Foi a partir de momentos assim q eu percebi q meu dono jamais iria repreender os meus desejos, q na verdade nada mais são do que os desejos dele q acabam se tornando meus naturalmente, sem imposição, apenas vou absorvendo a sua vontade q vai se tornando minha tb... assim, admiti a ele umas das coisas que mais me dá prazer: ser torturada durante o sexo oral... de preferencia torturas nos seios, desde o início, percebia q enquanto chupava meu dono e ele me torturava seu corpo dava sinais de excitação a cada gemido meu... isso me fez desejar momentos assim com tanto vigor, q por vezes ao gozei sem me tocar, apenas sentindo seu pênis tremer de prazer enquanto eu gemia...

Quando eu admiti esse desejo pra ele este mês, ele me disse q poderíamos fazer disso um hábito, assim como já é um hábito pra mim, ficar o máximo de tempo possível fazendo sexo oral. Deste modo, iria sempre me presentear com uma dorzinha durante o oral daki por diante, e assim foi... encontrei com meu dono, fiz os cumprimentos no quarto e qdo começamos a nos beijar, não paramos mais até cair na cama e ele me encaminhar para o sexo oral, nesse momento eu entreguei a ele o chicote de silicone q eu havia feito, e enquanto eu o chupava ele estreou o chicote, batendo nas minhas costas, bunda e coxas...

Mais tarde já na sessão qdo fui começar “minhas obrigações” primeiro ele me preparou, 4 prendedores em cada seio, e 2 chicotes ao alcance da mão, um de couro em tiras e o outro de silicone. Eu me coloquei de joelhos diante dele, e enquanto eu chupava ele me fazia gemer fechando os joelhos e imprensando os prendedores que da forma que foram posicionados pareciam esmagar os bicos, me fazendo soltar pequenos gritos, ou chicoteando minhas costas e minha bunda, é incrível como temos sempre a impressão q o chicote toca sempre o mesmo lugar... Aumentou a tortura em seguida colocando elasticos nos meus bico, uma dorzinha fina, ardia que me levou ao delírio.

Apesar de toda dor tenho q confessar o extremo prazer q senti nakeles momentos e em outros que tivemos qdo ele torturava meus seios me vendo chupa-lo e percebia nos meus olhos o desejo q eu sentia de sentir cada vez mais dor... desejei pq sou escrava...


Fazer sexo oral apenas parece pouco pra mim... não me satisfaço apenas em me humilhar pro meu dono, quero me submeter a ele cada vez mais intensamente, a cada momento mais extremo de dor e humilhação me sinto mais completa, mais entregue, mais escrava, mais dele...

Ainda tenho outros desejos escondidos, e sei q serão arrancados de mim, um a um, e desse modo, cada um deles é o reflexo do meu dono, e de tudo q eu quero entregar a ele, acabo de ter uma idéia, vou transformar meus desejos em poesia, assim não parecerão tão vulgares, tão devassos, tão malucos, são apenas desejos de uma escrava, pois amo meu dono, e não encontro limites pra esse amor procuro a cada dia fazer minha entrega mais profunda e mais intensa, assim como é o meu amor.

Desejos escondidos




A submissão sempre fez parte do q eu sou, desde criança tenho desejos, fantasias, pensamentos q por anos me confundiam até q pude descobrir que havia uma explicação, que haviam outras mulheres com as mesmas características, os mesmos desejos, e q todo akele desejo de pertencer a alguém, ser submissa e escrava, não era errado, pelo contrário, era a minha forma de ser mulher, na verdade a minha única forma de ser autêntica...

Mesmo tendo descobrido quem eu era, atravessei os anos escondendo meus desejos, constrangida por querer coisas q pra mtas mulheres seria uma humilhação extrema e descabida... tanto tempo escondendo que passei a negar esses desejos, me sabia submissa, mas não assumia minhas fantasias de submissão.

Qdo assumi minha identidade submissa e construí meu perfil, não tinha mta noção de onde isso me levaria, qdo marquei minha primeira viagem ao rio para conhecer meu dono pensei várias vezes em voltar atrás...

Ainda achava absurdo levar akela história até o fim, mas queria e queria mto me entregar a Ele... nakele dia na minha primeira sessão, DK me ordenou q eu pedisse uma bofetada, eu fique muda, não conseguia sequer murmurar, ele me deixou pensar um minuto, e depois, torturando meus seios, ordenou mais firmemente, e o pedido saiu obrigado, espremido, a força, carregado de tanta vergonha, q na primeira bofetada, meus olhos se encheram de lágrimas...

Na medida em q o tempo foi passando, fui percebendo que dk parecia um garimpeiro, foi desenterrando os desejos q eu me acostumei a negar, e me afirmava com uma certeza q me incomodava, q um dia eu ainda iria pedir espontaneamente para apanhar... akilo me parecia um grande absurdo, claro q eu não ousava discutir com ele, apenas trazia no meu intimo a certeza de q akilo jamais aconteceria.

Porém, nas minhas noites solitárias, qdo não sei se por excitação ou por saudade, eu fechava os olhos e sonhava com as bofetadas, lembrava do vigor, da força e do poder dele sobre mim, do ardor na pele, do sentimento de humilhação, mas sobretudo e acima de tudo dakela sensação de entrega incondicional... um tapa no rosto tinha um significado psicológico poderoso, e pra mim, significava q era a demonstração de q ele era meu dono, q me usava de uma forma que ninguém mais no mundo poderia... e assim comecei a sonhar com as bofetadas q um dia eu ganhei contra minha vontade...

Em quase todas as sessões as bofetadas se repetiram, eu me deliciava com elas, mas permanecia calada, tentando disfarçar meu prazer, porém, ao falar sobre elas neste blog eu não escondia q já não me machucavam, mas ao contrário me faziam me sentir mais sua, mais entregue...

Segui sonhando com as surras q eu levava, as chicotadas, as pancadas da cane, os tapas no meu rosto, eram momentos q embora fisicamente as vezes me apavorassem, ao mesmo tempo minha saudade me fazia e me faz desejar profundamente.

E como um bom garimpeiro, dk nunca perdeu meus sinais, e sempre percebeu os desejos q eu guardava e tentava esconder... foi assim q me instigou a dizer o q eu queria para uma das sessões, e me fez admitir q eu desejava q ele me desse as chineladas q eu já experimentava diariamente como exercício para me preparar pro spannking.

Do mesmo modo, na primeira sessão deste mês, qdo ainda nos beijávamos ele me deu uma bofetada mto forte, e olhou fixamente no meu rosto esperando a minha reação, desta vez não consegui disfarçar meu prazer e sorri com os olhos, como uma menina travessa q acaba de ser flagrada... ele me olhou dentro dos olhos e disse: “Você, gostou não gostou¿” respondi envergonhada, lutando contra o constrangimento: “gostei”, me pegou pelo queixo e continuou: “se gostou, então pede”...

Eu não esperava q akele desejo fosse tão forte e tão descontrolado, mas apesar de tanta vergonha q eu sentia, olhei nos olhos dele e disse: “bate em mim, Senhor”, senti a bofetada vindo em minha direção, enquanto os olhos dele brilhavam, e pedi mais, e mais, e ele querendo me ouvir batia e parava, batia e parava, os tapas ardiam mais o olhar dele mergulhava dentro de mim, eu me sentia parte dele, e toda vergonha tinha sumido, deixando apenas toda excitação e todos os desejos aflorar, uma excitação tão grande e tão forte q em poucos segundos, me pegou pelos cabelos, penetrou o pênis em minha boca e gozou me deixando me deliciar com akele momento, eu senti tanto prazer q meu corpo inteiro tremia, e apesar da vermelhidão e do ardor da minha pele, meu rosto transparecia a felicidade de poder assumir diante dele tudo q eu desejava...

Esta cena se repetiu no dia seguinte, enquanto eu estava “cumprindo minha obrigação” (fazendo sexo oral, rsrsrs) sentadinha no chão enquanto meu dono conversava no msn, olhei ainda constrangida e disse: “posso te pedir uma coisa”, ele respondeu q sim, mas minha coragem já tinha sumido, e eu fiquei olhando para o chão sem saber o q fazer, ele começou a ordenar q falasse com firmeza, mas percebeu q a luta interna q eu travava me impedia de obedecer, então ele me pegou pelo queixo sorrindo e disse: “vc quer apanhar não é¿” respondi q sim apenas acenando com a cabeça, ele começou a acariciar meus cabelos, e em seguida meu rosto, isso sempre foi um sinal para q eu me preparasse para os tapas q vinham a seguir, me segurou com uma mão pelos cabelos e com a outra começou uma seqüência de tapas fortes e rápidos enquanto me olhava nos olhos, parou me deixou continuar a chupa-lo por alguns segundos, e começou novamente, batendo agora do outro lado do meu rosto, sentia os tapas tão fortes, q os ossos do meu rosto doíam, a pele ardia, e se não fosse a outra mão me segurando, com certeza eu cairia...

Essa seqüência de tapas e sexo oral se repetiu várias vezes, enquanto ele admirava na minha fisionomia a mistura de prazer e humilhação, e me desafiava a explicar o q estava sentindo, eu respondi apenas q precisava pensar, pois nakele momento, não conseguiria explicar...

No ultimo dia, enquanto conversávamos pelo msn, mais uma vez ele me perguntou o q eu queria para akela noite, me fazendo repetir que queria experimentar o chinelo... qdo chegou, enquanto ainda trocávamos carinhos na cama do hotel, ele parou e me perguntou onde estava o chinelo, apontei pro canto do quarto na esperança q ele me poupasse da humilhação de ir buscar, mas não adiantou, ele me mandou ir buscar, sai envergonhada e excitada ao mesmo tempo, me ajoelhei na cama entreguei o chinelo, e ele permaneceu deitado, me pegou pelos cabelos me por pra fazer oral, começou a penetrar meu anus com um dedo, e com a outra mão começou a bater...

As chineladas ardiam, e os gemidos vinham sem q eu pudesse controlar, o dedo penetrava no meu anus com força em estocadas rápidas me fazendo gozar desvairadamente, e na medida q eu sentia a dor e o orgasmo chupava mais forte com mais vontade fazendo com q ele gozasse em seguida, amoleci sobre a cama, agarrada as suas pernas, ele abriu o braço me chamando pra deitar em seu peito, eu me aconcheguei ali me sentindo tão feliz, tão realizada que não queria mais nada, apenas ficar ali quietinha, curtindo akele abraço pra sempre.

preparativos: mergulhando no sonho...


antes de mais nada devo explicar que, por ordem do meu dono, não farei mais relatos integrais de todas as sessões, mas de cada fato, cada lembrança, cada sensação e cada sentimento... Ele me levou a concluir q isso me ajudará a refletir melhor sobre cada coisa, e expor de maneira mais clara o q se passa dentro de mim...

bom, começarei pelas coisas q mais me marcaram nessas sessões de novembro Dono, mas se eu tiver esquecido de alguma coisa, espero q me ajude a lembrar...

me preparar prá ver o dono é sempre um ritual pra mim, q começa geralmente uns 10 dias antes da viagem... são coisas simples mais necessárias que eu acabei assimilando a minha rotina e q as vezes faço sem perceber...

a primeira coisa q me lembro é de fazer as contas uns quinze dias antes pra ter a certeza de q meu ciclo menstrual não vai me surpreender nos dias da viagem, qdo há qualquer dúvida começo a tomar as pílulas diariamente parando apenas no dia da ultima sessão o q me garante menstruar apenas 3 dias depois (ainda bem q minha médica não lê esse blog, kkkkkkk)

uma semana antes tenho q cuidar das questões práticas como parar de roer as unhas prá ficar de um tamanho apresentável, e procurar um vestido novo pra primeira sessão do mês... rsrsrs, acho q ele nunca percebeu isso, mas meus vestidos são como lembranças cada um feito em um mês, cada um com uma carga de memória, tenho os meus preferidos, na verdade, nem é pq são mais bonitos, mas é pq me trazem as melhores lembranças...

cinco dias antes, é hora de pensar na depilação e na hidratação do meu cabelo, agendar depilação total como ele gosta, e me preparar psicologicamente pra isso, rsrsrs, na verdade pra mim as sessões já começam na dor da depilação, rsrsr, bem que eu já desejei q ele me depilasse, ia ser mto interessante, rrsrsrs

nas conversas sempre tento sondar de dk se ele deseja algo novo, ou as vezes pergunto diretamente o q ele quer q eu leve, tendo em vista q agora eu é q estou responsável pelo kit, desta vez ele me encomendou cordas, gag, venda, velas brancas, o chicote de silicone q eu fiz, os dois chicotes novos do mês passado, todos os prendedores, minha guia, e é claro minha coleira.

Arrumar o kit, escolher as roupas, separar as peças, e até montar os instrumentos q ele vai usar pra me torturar tem um gosto mto especial pra mim... sinto como se eu pudesse sair do meu universo diário, e montar meu próprio universo... é assim q eu sinto...

Sinto q estas 16 horas de viagem são um processo de transição, deixo tudo prá traz pra ser somente dele... akele quarto já me recebe apenas como eliz, nele está o meu universo, o universo q eu escolhi pra mim, e as 19h, depois de 15 dias de preparo e espera, ele chega, fecho a porta, esqueço tudo q está lá fora, ali meu universo está completo, estou mergulhada em um sonho, envolvida e encantada, esqueço a hora de acordar, apenas vivo, e vivo intensamente, cada sensação, cada toque, cada orgasmo, como único e inesquecível momento aos pés do meu rei.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

AMOR CEGO = ENTREGA SEM RESERVAS


Depois de um domingo de chuva, pensando nos acontecimentos, meu coração está leve, voltei a me sentir segura, afinal meu porto seguro está onde sempre esteve...
Venho descrever as emoções vividas na terceira sessão do mês de outubro...
Estava aproveitando minha estada no rio para descansar... acostumada a trabalhar até 15 horas diárias sem interrupção, eu realmente precisava de um tempo de descanso... considerando que meu dono nunca faz uma sessão se a gente estiver sentindo qualquer mal estar, nem q seja uma dor de cabeça, eu sempre procuro me poupar o máximo para estar inteirinha pra ele...
Acordei já era quase 11 da manhã e dk já estava on line, perguntei se ele queria q eu comprasse mais algo para a sessão e ele me disse q não precisava, ele já sabia o q queria fazer e tinha tudo que precisava... aproveitei pra perguntar o q ele queria q eu separasse pra sessão, é claro q ele percebeu q eu estava curiosa qto ao q me esperava nakela noite, e não fez mistério... me mandou separar cordas, vibrador, as velas coloridas, o isqueiro, um chicote e o óleo de amêndoas para lubrificar... sim, eu já sabia o q me esperava, ele iria me fistar...

Gosto de fisting... já tinha sido fistada 3 vezes até akele dia.... mas sempre dá akele friozinho na barriga lembrando da dor aguda q eu sinto na hora, porém o prazer é sempre maior.... pedi o almoço no quarto mesmo e passei a tarde cochilando e teclando com meu dono... tendo chegado as 18h ele saiu do trabalho e eu fui me arrumar...

Preparei a bolsa com tudo q ele mandou, tomei um banho gostoso, me perfumei, me vesti (com o vestido, sempre sem nada por baixo) e fui prá porta esperá-lo...

Não esperei mto, logo ele chegou e subimos... ao sair do elevador ele reclamou q não tinha ganhado beijo, e eu brinquei q esperei ser beijada, mas que dakele dia em diante eu ia aprender a ataca-lo, rsrsrs....
Fiz os cumprimentos e seguimos para os carinhos como ele gosta... tirei suas roupas, começando sempre pelos sapatos e meias, beijando com devoção os pés, chupando cada dedinho, tirei sua calça jeans, sua camisa e tudo mais, beijei suas pernas, coxas, barriga, suas mãos, seu pescoço, orelhas e me demorei beijando sua boca....
Nos acostumamos a brincar com o beijo, geralmente a língua dele persegue a minha, kkkkk, q tenta se esconder e qdo é pega é tão sugada q parece q vai arrancar... fez isso tantas vezes q qdo cheguei em casa percebi o motivo se sentir a língua tão dolorida, havia um calo de sangue debaixo da língua, kkkkk.

Meu Senhor continuou a me torturar e acariciar alternadamente, me dando tapas e apertões por todos os lados, principalmente nos seios, a cada gemido meu eu sentia que ele se excitava, e eu me empolgava sugando seu pênis com tanto gosto que nem senti o tempo passar... já estava em cima da nossa hora e corremos pro banho, jantamos rapidinho e fomos pra sessão...

Chegando ao escritório como sempre, meu dono deu uma importância especial aos cumprimentos, por mais q a gente ria juntos, fale de assuntos corriqueiros, e até discuta política, em nenhum momento nossos papéis se confundem, e a hora dos cumprimentos é uma recordação de q eu sou a escrava e ele o Senhor... no início eu ficava constrangida de parar o papo na metade pra me ajoelhar e beijar os seus pés, sobretudo nas sessões em q eu estava sozinha...

Com o passar do tempo, fui aprendendo a saborear esse momento, sentir q é carregado de importância e de significado e q pra mim é sempre um momento único, ainda q eu faça tantas vezes, cada dia uma entrega, e ele entende isso, é como se repetisse a cada vez q pertenço a ele inteiramente e a cada beijo q me dá ao final do cumprimento, é como se selasse o momento aceitando a minha entrega... não há portanto motivo pra nenhum constrangimento, por que este gesto não é uma humilhação, é um sinal de nós dois estamos conscientes de nossos papeis, e q nos entregamos akele momento com mta alegria por sem sempre um momento único...

Terminado o cumprimento dk começou a preparar o lugar para o fisting, tinha me dito q iria me amarrar prá me fistar, e isso não me assustava, pelo contrário, me deixava mais excitava, só ia dificultar o final, já q eu adoooro me masturbar durante o fisting.

Colocou o banco na frente da sua cadeira, e ao alcance o vibrador, o chicote, as velas, o isqueiro e o óleo de amêndoas... me mandou deitar, amarrou meus calcanhares nas laterais dos pés do banco deixando minhas pernas bem abertas, amarrou meus punhos na barra de ferro q tem debaixo da mesa, pouco acima da minha cabeça, e já foi me avisando q dessa vez não ia ter como eu me soltar sozinha como de costume, realmente tinha ficado mto bem amarrada...

Terminando de amarrar meus pulsos, já começou a dar tapas no meu rosto e nos meus seios, claro, ele não perde tempo, rsrsrs...

Pegou o chicote me deu umas chicotadas nas coxas e na vagina só pra esquentar, hummmmmmmmmmmm, em seguida pegou a vela, e comentou q achava q ela poderia me queimar mto pq tinha mta tinta, tanto q estava saindo no plástico, como eu já tinha ficado com uma queimadura no seio direito, q me deixou cicatrizes, disse a ele q estava com medo...

Foi mto bom ver a postura dele nessa hora, achei q ele ia insistir, mas não, apenas disse: “se vc está com medo, não vamos usar”, deixou a vela de lado, ligou o vibrador e começou a me estimular... enquanto eu me entregava ao prazer e deixa meu corpo reagir, comecei a pensar em como era bom saber q ele entendia o meu medo... eu estava amarra, não poderia escapar, e me conhecendo como conhece, ele sabia q eu não iria reclamar se usasse a vela contra a minha vontade, mas ao contrário, ainda q totalmente dominada e exposta, minha vontade foi considerada...

Bom eu sei q isso não é “regra” em mtas ocasiões dk dobrou a minha vontade, me submeteu, me obrigou a fazer o q ele queria, entendi q ele recuou pq desta vez eu correia o risco de ficar com outras queimaduras e futuramente outras cicatrizes, e portanto era a vontade dele me ouvir, sua vontade prevaleceu sobre a minha, como sempre foi...

Fui me deixando levar pelo prazer, e gozando inúmeras vezes enquanto ele estimulava meu clitóris e se preparava para me fistar, já penetrando minha vagina com os dedos, após alguns orgasmos ele parou e passou óleo de amêndoas por toda a mão, minha barriga gelou, estava na hora do fisting começar....

Como sempre, fechei os olhos e tentei esquecer o medo da dor, fui aproveitando os orgasmos, e sentindo a força dele se impulsionando dentro de mim, me sentia tomada por um prazer forte e doloroso, tão intenso q meu corpo inteiro tremia... ele forçava a penetração com calma, bem devagar, e a cada vez q eu gozava, avançava mais um pouco dentro de mim, comecei a sentir q ele mexia a mão, virando-a me arrancando gemidos alucinados, e dor e de prazer intenso, e eu tinha orgasmos tão fortes, e a dor era tão aguda, q meu corpo inteiro suava frio e tremia, de repente olhou pra mim, perguntou como eu estava me sentindo, e eu só respondi q não queria parar, mas seus olhos estavam preocupados, e ele me disse q eu estava com os lábios brancos, sem uma gota de sangue, e se ele continuasse eu poderia desmaiar....
Eu não queria realmente q ele parasse, mas me sentia tão mole e tão fraca q tb não duvidava da possibilidade de um desmaio... e ele foi retirando a mão devagar, fui sentindo a dor aliviando, com apenas uma mão ele desamarrou meus calcanhares, pra q eu pudesse descansar as pernas, e foi lavar a mão, me trazendo água em seguida, me dando de beber, e passando as mãos com água fria no meu corpo pra me acalmar. Desamarrou minhas mãos, se sentou novamente na cadeira e ficou acariciando meu corpo, com a pontinha dos dedos, me fazendo arrepiar...
Minha respiração foi voltando ao normal... fui relaxando, estiquei as pernas e braços pra descansar do tempo q estive amarrada, e qdo estava bem, me sentei e recostei no seu ombro...
Ele estava no msn contando o q tinha feito pra stela... na verdade sentia q ele queria mesmo era ter nós duas juntas nakela noite... já descansada tomei meu posto, sentando no chão a sua frente, como ele fala: “vem fazer sua obrigação” rsrsrs... e fiquei fazendo sexo oral até a hora de sairmos... estava acabando o meu 3º dia com ele, e eu já me preparava pra choradeira do dia seguinte, dia de ir embora...

Fiz novamente os cumprimentos, e fomos para o hotel... me despedi e entrei ainda sentindo meu corpo reagir aos prazeres dakela noite... estava feliz, me sentia realizada, e ainda teria mais um dia pra viver akele sonho...

Hj já é manhã de segunda feira meu Senhor, sei q qdo ler este relato, já vai ter uma breve noção do q eu passei esses dias longe do teu contato...
Sim, sofri bastante por alguns fatos, chorei, tive insônia, mas como sabe, depois das minhas crises, consigo pensar...
Vejo melhor as coisas, consigo ver onde errei e o q pode ser feito...
Errei me deixando levar por bobagens, por acontecimentos q, diante de tudo q somos e vivemos, não têm nenhuma importância...
Me entreguei a dúvida na hora em q fiquei triste, comecei a fraquejar...
Mas hj vendo e pensando melhor nos fatos, percebo q sou forte, pq o Senhor me fez forte e equilibrada, minha força vem do amor q eu sinto e da confiança cega q tenho no Senhor meu dono, apesar de todos as nossas tempestades, o Senhor continua sendo meu porto seguro, digno do meu amor, e da minha entrega incondicional, meu sentimento pelo Senhor não se abalou, e como eu já disse em outras oportunidades não vai se abalar...
Sim, mta coisa me assunta, o Senhor conhece meus medos e meus pontos fracos, e cuida pra q eu não me perca...
Há pessoas q tb conheceram meus pontos fracos, e q ao contrario do Senhor, tentaram me fazer desmoronar,
Não vou sucumbir conforme a vontade destas pessoas, pq meu sonho e sua vontade em minha vida são mtoooo mais fortes... nasci sub, cresci como sub aos teus pés, e não vou perder o q eu sou, o q o Senhor fez de mim por causa de acontecimentos banais... fui mto bem ensinada meu Senhor, mto obrigada, nessas horas, percebo o qto aprendi, e realmente sinto q sou sua extensão, o Senhor está em mim, dentro de mim, na minha mente, no meu coração, e na minha alma...

Eu entendo suas atitudes, sem q me explique, e nada vai mudar o q o Senhor é pra mim: é meu Dono, meu mestre. meu Senhor, o Dominador da minha vontade, e eu permaneço a seus pés: sou sua escrava, sua submissa, e tudo mais que quiser fazer de mim...


TE AMO MAIS Q TUDO, beijos em teus pés, sua eliz.


AMOR CEGO = CONFIANÇA CEGA


Nestas noites q se tornam mto mais escuras, mto mais longas e mto frias, qdo o amor q eu sinto de tão cego consegue me esconder as saídas, e me dói tanto e machuca a ponto de me desorientar, percebo que minha confiança precisará ser ainda mais cega que meu amor, diante da minha impotência, da minha pequenez, da minha insignificância, nada posso fazer a não ser amar e confiar e resistir a dor que a cada dia que passa me parece mais forte e mais cortante.

Quisera eu que essa dor estivesse na minha pele, na minha carne, e q cessasse segundo a vontade do meu dono... mas não está... fruto desse amor cego, minha dor ultrapassou meu coração, atingiu a minha alma e é uma dor q sei q ele não deseja q eu sinta... me sinto atada, humilhada, impotente, insignificante... e na minha insignificância sinto o abandono, o frio e a escuridão...

Nesse amor cego, minha confiança há de ser cega, e minha alma há de ser forte, e meu coração há de suportar, e apesar de todas as palavras q eu já calei, e apesar de todo meu silêncio, meu dono, q há tanto tempo aprendeu a ler meus sinais, há de decifrar meu sofrimento e trazer algum alivio para o meu coração.

Bem, isso é o q eu sinto no exato momento em q escrevo, madrugada de domingo, tão escura, tão longa e tão fria, mas me alivia lembrar dos últimos dias de sonho q passei aos pés do meu dono...

Era quarta feira, segundo dia de sessão, eu ainda ficaria até sexta, me sentia feliz e realizada, tinha ordens para comprar alguns itens: velas coloridas, um isqueiro, e material para confeccionar um chicote... não tinha mta noção de onde procurar, mas estava excitada com a idéia de confeccionar sozinha um chicote pro dono usar em mim...

Não demorei mto a encontrar, depois de passar por alguns camelôs, e por algumas lojas cheguei a uma galeria q eu já conhecia bem, e me lembrei de uma loja especializada em bijuteria que provavelmente teria o q eu precisava, e tinha....

Lá eu comprei tiras de couro pretas, tiras vermelhas de algodão encerado, q eu achei interessante, pingentes pra amarrar nas pontinhas, algumas peças q poderiam me ajudar a fazer o cabo, e umas cordinhas pra dar acabamento. Na mesma galeria achei uma loja de produtos esotéricos onde comprei as velas coloridas, e o isqueiro comprei num camelô no caminho de volta... precisava de material prá fazer os cabos, vi de longe uma loja de materiais de construção e enquanto eu mudava meu caminho fui pensando numa forma de explicar o q eu queria pro vendedor....

Perguntei se ele vendia o cano de pvc, mas q eu queria dois pedaços pequenos... ele disse q só vendia o metro, eu disse q não tinha problema, eu pagaria o metro, mas queria dois pedaços pequenos de quinze centímetros, constrangida sem coragem de falar pro q era, disse q precisava de encaixar em um conserto com akele tamanho, o vendedor insistiu q mesmo assim, deveria trazer o metro inteiro, bom, eu insisti mais, até q ele cortou os dois pedaços de cano, me fazendo trazer o restante do metro, aiaai, passei numa papelaria comprei fita isolante e fita adesiva vermelha, pronto, encontrei tudo q eu tinha pensado, voltei pro hotel, precisava começar a trabalhar...

Enquanto eu falava com meu dono no msn fui montando o chicote, e experimentando akela sensação de humilhação e entrega que isso me proporcionava, montar o chicote com o qual eu mesma iria apanhar, me parecia irônico e engraçado, ao mesmo tempo em que me dava um gostinho gostoso de sentir q evoluí mais um pouquinho como escrava...

Nesta tarde, nossa conversa tinha teor especial, eu e meu dono conversamos sobre a possibilidade da entrada da stela, e como já era de se esperar ele queria a minha opinião... isso é regra na família, alguém só entra se for do desejo de todos, nakele momento todos éramos só nós dois, rsrsrs... stela já vinha conversando com dk desde maio, já era outubro e vinha mantendo uma postura mto madura, mto centrada, como diz o dk, ele me pontuava o qto ela tinha amadurecido nestes meses e eu percebia nas palavras dele q ele realmente desejava q ela viesse... tb avaliei q ela tinha mto q somar se juntando a nós, e q sempre teve mta consideração e amizade por mim, concordei com a vinda dela, fato q percebo, alegrou mto meu dono.

Os chicotes estavam prontos... já eram quase seis da tarde... decidimos o jantar e ele saiu do trabalho pra vir me encontrar... tomei meu banho, pedi o jantar no quarto, deixei os chicotes sobre a cama e fui pra porta do hotel encontra-lo... enquanto eu estava chegando, já o avistei imponente vindo ao meu encontro... pra mim akela é a visão do paraíso, do meu paraíso...

Me deu um beijo no rosto, perguntou como eu estava e seguimos juntos pro hotel... como de costume nos beijamos no elevador, chegando ao quarto eu fiz os cumprimentos, entreguei os chicotes e fomos nos aconchegando na cama, fazendo carinhos, e como eu já esperava, enquanto me acariciava ele foi testando os chicotes em mim... aproveitei para completar o momento fazendo um delicioso sexo oral enquanto ele me batia... nossa, pra mim essa cena é sempre perfeita... e como ele gozou deliciosamente, acho q ele tb gosta, rsrsrs...

Nos levantamos, fomos pro chuveiro, e nos beijamos longamente durante o banho, comemos juntos e ele foi separar o que queria levar para a sessão: cordas, vibrador, plug anal e os chicotes novos, é sempre arrepiante e excitante assistir ele separar o q vai usar, e é delicioso o modo como ele me olha a cada peça q escolhe...

Chegamos ao escritório, beijei os pés, as mãos, ele me beijou, e logo em seguida começou a pensar em como iria me amarrar, foi gostoso ver ele mesmo pontuar a entrega e a confiança de quem se deixa amarrar, observando de maneira, quase ameaçadora: “vc fica totalmente imobilizada, e eu faço tudo q eu quiser”, hummm isso não me assusta, ao contrario, só expressa a maneira como eu me sinto durante as 24 horas de cada dia q eu vivo...

Me mandou deitar de bruços sobre um banco, procurou uma posição q eu agüentasse sem me forçar tanto... me mandou sentar bem na ponta... ou melhor deitar na ponta de forma q minha vagina ficasse exposta fora do banco, amarrou meus calcanhares nos pés do banco, esticou meus braços amarrando meus pulsos nos pés dianteiros... pelo modo em q eu fiquei esticada me sentia imóvel, com pouquíssima folga para movimentar as pernas e descansar de vez em qdo...

Não sei ao certo, mas fiquei mais de uma hora amarrada nakela posição... dk começou experimentando os chicotes nas minhas costas, enquanto me fazia chupar o vibrador e o plug anal afim de lubrifica-los para ele usar em mim... encaixou o vibrador ligado dentro da minha vaginha e me pôs o plug, e foi fazendo movimentos com eles dentro de mim até q eu gozasse várias vezes seguidas, nem sei qtas foram... com o plug encaixado e o vibrador ainda ligado continuou a bater, pelo jeito meus presentes tinham agradado, os chicotes novos renderam bons gemidos e minha pele bem marcada do jeito q o dono gosta... ele acariciava as minhas marcas, me cravando as unhas e fazendo arder ainda mais...

Depois de perceber q eu já estava mole de tanto apanhar e gozar ele me desamarrou, me deu água e me deixou descansando pertinho dele...

Como já era de se esperar, eu não demorei mto a pedir pra fazer sexo oral de novo, e assim fiquei sugando e saboreando até a hora de ir embora... enquanto isso meu dono entrou no msn, e todo feliz declarou a stela q a partir dakele dia deveria usar suas iniciais, estávamos os três mto felizes...

Os fantasmas q me cercavam estavam ficando pra trás, o sorriso dele, e a confirmação de q ele estava bem era o q eu precisava para me tranqüilizar, me vesti novamente, e viemos pro hotel, onde eu descansei nakela noite, repleta da dor e do prazer q eu senti, já sonhando como seriam os dias q estavam por vir...

Já está amanhecendo, é manhã de domingo... minha dor não passou... me resta tentar cochilar por algumas horas, o máximo q eu puder, para q o feriado passe rápido, para q a terça venha e traga meu dono de volta prá mim, para q ele possa me acalentar e acalmar meu coração... até lá... vai doer... e eu vou ter q agüentar...

Te amo dono, e percebo, q tenho a confiança cega q eu precisava para sobreviver a tudo isso... tenho medo de sofrer, ainda mais do q estou sofrendo... mais sei, por tudo q vivi, q essa dor vale a pela, pelas palavras de amor que tem dedicado a mim...

Beijos em teus pés, sua eliz...



quinta-feira, 15 de outubro de 2009

primeira sessão de outubro: a emoção de novas sensações

entre as sessões de setembro e outubro aconteceram mtas coisas, deixei de ter irmãs, agora estou sozinha, me sinto meio q perdida, na verdade a minha maior preocupação e a mais angustiante é a sensação de q não sou suficiente prá ele...


tentei distrair meu dono, nãao queria pensar nem na possibilidade de ver ele triste... já bastavam os problemas da sua vida baunilha aos quais eu não tinha nem acesso, queria q ele pelo menos enquanto dominador fosse feliz, e estava disposta a qualquer sacrificio para isso...

infelizmente meus sacrificios não foram suficientes, existem coisas q não dependiam de mim e q o deixaram triste, decepcionado, e eu não podia fazer nada, a sensação de importência diante dessa situação me feriu mto, e eu chorei amargarmente por pensar na possibilidade dele estar sofrendo... e ainda choro, toda vez q penso nisso...


felizmente, ao vê-lo comprovei o q ele já tinha me dito, q estava bem, q estava em paz... ele tinha o sorriso nos olhos como sempre... e por isso meu coração conseguiu descansar um pouco...

contei a ele como tinha sido a experiência de comprar meus acessorios novos no sex shop enquanto outros cliente me olham escolher descaradamente um vibrador novo e um plug anal... da mesma forma q tive q passar pelo constragimento de entrar numa farmácia prá comprar camisinhas e passar com os 3 pacotes pelo caixa enquanto algumas senhoras me olhavam com ar de reprovação... foi uma sensação de liberdade, misturada com o sentimento de submissao q me excitou e me fez agir como se fosse a coisa mas natural do mundo...

meu dono se divertiu me vendo contar, rsrsrs...

como tinhamos pouco tempo prá ficar no hotel, fizemos apenas alguns carinhos na cama, ele me deu algumas palmadas e alguns beliscões, ainda não entendo essa força q ele tem nas mãos, fiz alguns minutos de oral e fomos para o banho... no chuveiro enquanto ele se molhava começou a urinar em mim, acertando propositalmente minha barriga, vagina e coxas...


como eu já tinha passado pela experiência de beber a urina dele, a sensação de recebê-la na pele não foi nada demais, ee foi um tanto erótico, o olhar q ele mantinha nesse momento era incrível, ele ria percebendo meu olhar meio q amedrontado e ele sabia pq, eu temia a possibilidade de uma ordem para beber, tendo em vista q ainda não consigo fazer isso com facilidade... ele fez questão de dizer q eu poderia ficar tranquila pq ele não estava com vontade de fazer isso hj, e eu respondi q se ele me mandasse eu obedeceria... prá não perder a oportunidade ele fez questão de dizer q tinha certeza q eu obedeceria e q por isso não fazia questão nenhuma, e eu sorrindo retruquei q nunca neguei e nunca negaria por estar consiente de q isso é q ativa a sua vontade...


(com DK é assim, ... eu não sou boba de falar q não vou... pq se eu disser q não, aí é q eu vou ter q ir mesmo... felizmente aprendi isso rápido e demonstrar obediência tem me poupado vários sacrificios... rsrsrs... sou pessoa de sorte, rsrsrs)


saímos do banho e fomos comer, enquanto comíamos contei a ele q tinha sido cantada pelo taxista... e ele me lembrou de um antigo pânico q eu tenho, me falando da facilidade q eu teria se ele mandasse eu me vender... claro q nem esperou eu expressar meu medo, e logo acrescentou q não planeja me mandar fazer isso, mas q sabia q eu faria se ele mandasse...



essa história de me vender é um dos desafios q me fez qdo me aceitou... perguntou se eu obedeceria, e eu, apesar da minha inexperiência já sabia q não podia dizer não, disse q se mandasse seria mto dificil, q me sentiria desvaloriza, o q me magoaria mto, mas q eu faria por obediência... a partir de então eu sempre tive medo dessa ordem, mas qdo comecei a conhecê-lo melhor percebi q ele tinha feito akilo prá me testar e q realmente faz de tudo prá não me magoar... isso só aconteceria como um castigo extremo, no qual eu acredito q ele tb não teria nenhum prazer em me aplicar, e numa circunstância grave, o q não há de acontecer nunca, assim espero...



fomos para a sessão, ele quis levar as codas, o rolo de viés q eu comprei e os prendedores... me disse q eu iria experimentar sensações novas hj e a primeira foi logo q entramos no elevador, eu sempre soube q o elevador do prédio tinha uma câmera, mas inexplicávelmente ele abriu a calça e me mandou fazer oral, sem perguntar nada eu fiz, só qdo parei é q fui perguntar sobre a câmera, e ele explicou q havia sido desligada, mas até ai eu jpa tinha quase enfartado, kkkkk...


saindo do eleevador outra surpresa, em vez de me conduuzir até a porta do escritório, me pegou pelo ombro e foi me levando pro outro lado do corredor entrando numa porta q dava para as escadas, me colocou no canto da porta, abriu a calça e qdo eu ia começar o oral apavorada me deu uma bofetada mto forte, me deixando chupá-lo em seguida... eu estava com mto medo, e a pele do meu rosto ardia, depois de alguns minutos, me levantou, fechou a calça e tocou meu ombro me coonduzindo de volta pro corredor... perguntou baixinho se eu tinha gostado... e eu respondi num sorriso: "adoreiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii" rsrsrs



é estranho fazer os cumprimentos sozinha, é nessa hora q eu sempre lembro q sou unica... apesar de saber q tem gente nova chegando, uma candidata forte, e querida, q sinto q gosta mto do dk, e desde q faça ele feliz e o respeite terá meu total apoio, e será mto bom tê-la comigo...


DK tirou meu vestido, me sentada, puxou meu braços para traz e os amarrou, amarrando em seguida os meus seios, entrelaçando o meu pescoço, começando uma asfixia leve, q nõ chega a sufocar, perguntou várias vezes se eu conseguia respirar, e me mandou avisar se a respiração ficasse dificil, em seguida começou a brincar com meus seios, colocando prendedores em forma de K na pele, os coloridos doem, mas é uma dor suportável, mas os pretos doem de maaneira incontrolável, dor q foi esquecida na medida em q ele foi controlando meu clitores e me estimulando ao mesmo tempo em q me beijava, tive vários orgasmos seguindos, meu clitores chegava a doer de tanto prazer, e eu não consiga me controlar...



especialmente pq nesse momento ele me mostrou uma outra sensação nova, a asfixia durante o orgasmo, é uma coisa incrível, pq geralmente durante o orgasmo costumo contrair meus musculos, e durante a asfixia fiz o contrário, amoleci o corpo e me entreguei ao orgasmo, enquanto ele apertava a minha garganta e me masturbava com a outra mão, relaxei inteira e me entreguei ao prazer, q fooi indescritivel, noooooosssaaaaaa.....



DK esperou q meu corpo de acalmasse e resolver testar outra amarração... me mandou debruçar sobre a cadeira, e com o vies foi amarrando minhas coxas, braços, costas, até q eu fiquei totalmente imobilizada presa a cadeira começou então se divertir comigo, totalmente imobiliada e entregue... primeiro me colocou prá fazer sexo oral me dando fortes bofetadas, dakelas de deixar tonta e desorientada, alternando com os momentos em q ele dava a volta encaixava o penis na entrada do meu anus e me estimulava sem forçar a penetração, apenas me enchendo de vontade, e voltava ao sexo oral e as bofetadas, fez isso por um bom tempo, o q me excitou demais tb, alternando com palmadas fortes, não sei dizer em q momento eu gozei, só sei q gozei de novo, rsrsrs...


meu corpo inteiro doia, fiquei acho q uns 40 minutos nakela posição, desde o início dk me avisou q são posições incômodas q doem com o tempo, e realmente dói bastante... preciso melhorar minha flexibilidade muscular, aiai, tô perdida...



depois de desamarrada, fui sentar pertinho dele, prá sentir o cheiro e fazer uns carinhos, claro q não demorou mto prá eu começar fazer oral de novo, e como a posição era favorável, dk começou a penetrar com os dedos no meu ânus, me arrancando gemidos de dor e ao mesmo tempo de prazer, o q me fazia chupar ainda com mais vigor e vontade, fazendo-o gozar deliciosamente dentro da minha boca, e é claro, saboreei tudo sem disperdiçar uma gota sequer... eu fiiquei molinha recostada no peito dele, olhei nos olhos dele e repeti q o amava, e acrescentei q eu já sabia q não era sempre q ele me diria o mesmo... ele riu e disse q realmente não me dirá sempre, q isso seria usado como uma recompensa prá mim, mas q hj eu estava merecendo... olhou nos meus olhos e me disse: "eu te amo"... eu não tive palavras, meu corpo gelou, fiquei engasgada, apenas debrucei no seu peito suspirando pedindo q o tempo parasse prá q akela felicidade q eu sentia não passasse nunca mais...



por mais q eu tenha ficado muda, sei q o Senhor sabe o q se passa dentro de mim... há momentos q não há como explicar, não há o q falar, mas sei q sabe o q eu sinto...


fomos juntos até a portaria do hotel, me beijou, se despediu e eu entrei... sem tristeza, apenas a empolgação de poder viver esses 4 dias de sonho ao lado do meu dominador... TE AMO MAIS Q TUDO...


{eliz}_DK